13
nov
10

Mapeamento de Matéria Escura: Mapeando o invisível

Usando o Telescópio Hubble, astrônomos conseguiram mapear matéria escura invisível em uma galáxia distante que lhes permitiu criar um dos mais detalhados e precisos mapas de matéria escura no Universo. Procurar por matéria invisível é um trabalho difícil , mas é uma tentativa dos astrônomos há pelo menos uma década.

Imagem do Hubble mostra a distribuição de matéria escura no aglomerado de galáxias Abell 1689. que contém aproximadamente 1000 galáxias e trilhões de estrelas. Crédito: NASA, ESA, D. COE

Uma equipe liderada por Dan Coe no JPL usou o Hubble para observar o aglomerado de galáxias Abell 1689, localizada a 2.2 bilhões de anos-luz de distância. A gravidade do aglomerado, que vem na sua maioria de matéria escura, age como uma lupa cósmica, curvando e amplificando a luz de galáxias distantes atrás dele. Esse efeito, conhecido como lente gravitacional, produz múltiplas imagens deformadas e bastante ampliadas dessas galáxias, fazendo com que pareçam distorcidas e difusas ao observador (maiores detalhes sobre lentes gravitacionais em  https://teacherdeniseselmo.wordpress.com/2010/11/13/o-que-sao-lentes-gravitacionais/). Ao estudar as imagens distorcidas, os astrônomos estimaram a quantidade de matéria escura dentro do aglomerado. Se a gravidade do aglomerado viesse apenas apenas das galáxias visíveis, a distorção seria muito menor.

O que os cientistas encontraram sugere que aglomerados de galáxias podem ter se formado antes do que se acredita.

A energia escura afasta as galáxias umas das outras ao estender o espaço entre elas suprimindo assim a formação de estruturas gigantes chamados aglomerados de galáxias. Uma maneira que os astrônomos tem de sondar esse cabo de guerra, é através do mapeamento da distribuição de matéria escura em aglomerados.

Baseado no mapa de alta resolução, Coe e seus colaboradores confirmam resultados anteriores mostrando que o núcleo de Abell 1689 é muito mais denso em matéria escura do que o esperado para um aglomerado de seu tamanho.

“Os aglomerados de galáxias,portanto teriam que ter sido formados bilhões de anos mais cedo para poderem atingir os números que

vemos hoje,”  disse Coe “ Em tempos mais remotos, o universo era menor e a matéria escura mais densamente compactada. Abell 1689 demonstra ter sido muito bem abastecido da matéria densa que o cercava nos primórdios do universo.O aglomerado tem carregado esse volume por sua vida adulta e se mostra como observamos hoje.”

Agora os astrônomos planejam estudar mais aglomerados para confirmar a possível influência da energia escura.

fonte:http://www.nasa.gov/mission_pages/hubble/science/dark-matter-map.html

http://www.universetoday.com/78309/hubble-provides-most-detailed-dark-matter-map-yet/

 

Anúncios

0 Responses to “Mapeamento de Matéria Escura: Mapeando o invisível”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: