28
mar
13

A História do Sistema Solar nos aneis de Saturno

Sou fascinada pelo trabalho inestimável da equipe da Sonda Cassini. Orbitando Saturno ela vem ano após ano nos trazendo mais novidades e descobertas incríveis de nosso Lord of Rings (Senhor dos Aneis), como gosto de chamá-lo.

No artigo abaixo, escrito por Nancy Atkinson para a Universe Today, constatamos a importância do estudo do Sistema de Saturno para o entendimento da formação de nosso Sistema Solar. O texto foi traduzido e adaptado e o original pode ser acessado aqui.

rings

                 A sonda Cassini observa três das luas de Saturno conjunto contra o lado escuro da noite planeta.Crédito: NASA / JPL / Space Science Institute

Uma nova análise de dados da sonda Cassini sugere que luas de Saturno e seus anéis são “antiguidades” do tempo das origens do nosso sistema solar.

“Estudar o sistema  Saturniano nos ajuda a entender a evolução química e física de todo o nosso sistema solar”, disse o cientista da Cassini Gianrico Filacchione, do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália. “Nós sabemos agora que compreender esta evolução requer não apenas o estudo de uma única lua ou anel, mas também das relações de entrelaçamento desses órgãos.”

Os anéis, luas,mini luas e outros detritos datam de mais de 4 bilhões de anos. Eles são do tempo em que os corpos planetários do nossa vizinhança começaram a se formar na nebulosa protoplanetária, a nuvem de material ainda em órbita do sol após a sua ignição como uma estrela.

Os dados do espectrômetro de mapeamento visual e infravermelho da Cassini (VIMS) revelaram como gelo de água e também cores – que são os sinais de não-água e materiais orgânicos, estão distribuídos em todo o sistema de Saturno. Os dados do espectrômetro, na parte visível do espectro de luz que mostram que o colorido dos anéis e luas geralmente é apenas superficial.

Usando sua faixa do infravermelho, o VIMS também detectou gelo de água em abundância – muita para ter sido depositado por cometas ou outros meios recentes. Portanto, os autores deduzem que o gelo de água deve ter se formado em torno da época do nascimento do sistema solar, porque Saturno orbita o Sol além da chamada “linha de neve”. Fora da linha de neve, no sistema solar exterior onde Saturno reside, o ambiente é propício para gelo de água ser preservando, como um congelador. Dentro da “linha de neve” do Sistema Solar, o meio ambiente é muito mais perto de brilho quente do sol, e  gelo e outros voláteis se dissipam mais facilemnte.

Prometeus effect                 O  surpreendente efeito da pequena lua Prometeu em dois dos anéis de Saturno nesta imagem obtida pouco tempo antes do equinócio de Saturno em agosto 2009. Crédito: NASA

A pátina colorida sobre as partículas dos anéis e luas corresponde aproximadamente a sua localização no sistema de Saturno. Para partículas internas de anéis de Saturno e suas luas,  o spray de água gelada da lua-geyser Enceladus  tem um efeito de reabilitação.

Mais além, os cientistas descobriram que as superfícies das luas de Saturno eram geralmente mais vermelhas quanto mais longe orbitassem Saturno. Phoebe, uma das luas mais exteriores de Saturno e um objeto que se imagina ter se originado no distante Cinturão de Kuiper, parece estar derramando poeira avermelhada que, eventualmente, avermelha a superfície das luas próximas, como Hyperion e Iapetus.

Uma chuva de meteoros de fora do sistema parece ter virado algumas partes do sistema de anel principal – principalmente no sistema de anéis conhecido como o anel B – uma matiz sutilmente avermelhada. Os cientistas acham que a cor avermelhada pode ser oxidado de ferro – ferrugem – ou hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que poderiam ser progenitores de mais moléculas orgânicas complexas.

Uma das grandes surpresas desta pesquisa foi a semelhança na coloração avermelhada da  lua Prometeu e de partículas do anel próximas. Outras luas na área eram mais esbranquiçadas..

“A  tonalidade  avermelhada semelhante sugere que Prometeu é construído a partir de material nos anéis de Saturno”, disse o co-autor Bonnie Buratti, um membro da equipe VIMS com base no Jet Propulsion Laboratory da NASA, Pasadena, Califórnia “Os cientistas se perguntam se partículas do anel poderiam ter se aglutinado para formar luas – uma vez que a teoria dominante era de que os anéis basicamente vinham  de satélites que tinham se fragmentado . A coloração dá-nos alguma prova sólida de que ele pode trabalhar o contrário, também. “

“A observação  dos anéis e luas com  a Cassini nos dá uma visão panorâmica incrível dos intrincados processos de trabalho no sistema de Saturno, e talvez da evolução de sistemas planetários, bem”, disse Linda Spilker, cientista do projecto Cassini, com base no JPL .

 

Anúncios

1 Response to “A História do Sistema Solar nos aneis de Saturno”


  1. março 28, 2013 às 2:46 pm

    Excelente texto, muito rico.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: