30
maio
13

Cometa ISON: Novas imagens e prognósticos

Esperamos ansiosamente para ver o que acontecerá com o Cometa ISON. Aqui um artigo do Observatório Gemini que traduzi e adaptei para o português brasileiro. Dedos cruzados, mas lembrem-se sempre que os observadores do Hemisfério Norte visualizarão o cometa muito melhor que os do Hemisfério Sul. De qualquer forma, estou torcendo por um grande espetáculo. O texto original pode ser acessado aqui

ISON_gemini_May

               Imagens do Cometa ISON obtidas usando o espectrógrafo do Gemini  em 4 de Fevereiro, 4 de Março,3 deAbril , e 4 de Maio, 2013 (da esquerda para a direita, respectivamente.

Uma nova série de imagens do Gemini Observatory mostra o cometa C/2012 S1 (ISON) deslocando-se em direção a uma desconfortável aproximação do sol. No final de novembro o cometa poderá apresentar uma visão deslumbrante no céu crepuscular e permanecer facilmente visível, ou mesmo brilhante, no início de dezembro deste ano.

As imagens em sequência, desde o início de fevereiro a maio de 2013, mostram a atividade notável do cometa, apesar de sua atual grande distância entre o Sol e a Terra. As informações obtidas a partir da série fornecem pistas vitais quanto ao comportamento global do cometa e seu potencial em apresentar um show espetacular. No entanto, é uma incógnita se o cometa tem como sobreviver à sua extrema aproximação do Sol no final de novembro e se tornar um espetáculo de manhã cedo na Terra no início de dezembro de 2013.

Quando o Gemini obteve esta sequencia , o cometa variou entre aproximadamente 455-730-580.000.000 quilômetros (ou 4,9-3,9 unidades astronômicas) do Sol. Cada imagem da série, tomadas com o espectrógrafo de Multi-Object Gêmeos no telescópio Gemini North, em Mauna Kea, Havaí, mostra o cometa no extremo vermelho do espectro óptico, que enfatiza  que o material empoeirado do cometa já está escapando do que os astrônomos descrevem como uma de “bola de neve suja”.:

As imagens mostram o cometa ostentando um capuz parabólico bem definido na direção ao sol que se reduz em uma cauda curta e atarracada apontando para o lado oposto ao sol. Essas características se formam quando a poeira e gás escapam do núcleo gelado do cometa e cercam o corpo principal formando uma atmosfera relativamente extensa chamado de coma. Vento solar e pressão de radiação empurram o material do coma para o lado oposto ao sol formando a cauda do cometa, o que vemos aqui em um pequeno ângulo (daí sua aparência atarracada).

Descoberto em setembro de 2012 por dois astrônomos amadores russos, o cometa ISON está provávelmente fazendo sua primeira passagem no Sistema Solar interior vindo do que é chamado a Nuvem de Oort, uma região de nosso Sistema Solar, onde cometas e corpos gelados habitam. Historicamente, os cometas que fazem sua primeiro volta em torno do Sol mostram forte atividade à medida que se aproximam do sol, mas muitas vezes fracassam quando chegam muito perto dele.

Medindo o Cometa ISON

 

A Astrônoma Karen Meech, da Universidade do Instituto do Havaí para Astronomia (IFA), em Honolulu, está atualmente trabalhando em uma análise preliminar dos novos dados do Gêmini (bem como outras observações de todo o mundo) e observa que a atividade do cometa diminuiu um pouco durante o mês de abril.

“A análise precoce de nossos modelos mostra que o brilho de ISON até abril pode ser reproduzido por saídas de gás de monóxido de carbono ou dióxido de carbono. A redução atual pode ser porque este cometa se aproxima do Sol pela primeira vez, e uma camada volátil de gelo pode estar se dissipando revelando uma camada menos ativa abaixo. Ele  só agora está chegando perto o suficiente do Sol, isso fará a água entrar em erupção a partir do núcleo revelando segredos internos da ISON “, diz Meech.

“Os cometas podem não ser completamente uniformes em sua composição e pode haver explosões de atividade à medida que material novo seja descoberto”, acrescenta IfA astrônomo Jacqueline Keane. “Nossa equipe, bem como os astrônomos de todo o mundo, estão observando ansiosamente o desenvolvimento deste cometa no próximo ano, especialmente se ele for dilacerado, e revelar seu interior gelado durante sua passagem excepcionalmente estreita pelo sol no final de novembro. ”

O Satélite Swift da NASA e do Telescópio Espacial Hubble (HST) também fotograram  Comet ISON recentemente nesta região do espaço. Observações em ultravioleta do Swift determinou que o corpo principal do cometa lançou cerca de 850 toneladas de poeira por segundo no início do ano, levando os astrônomos a calcular que o diâmetro do núcleo do cometa é de cerca de 5-6 km. Cientistas do HST concordaram com essa estimativa tamanho, acrescentando que as medidas coma do cometa cerca de 5000 km de diâmetro.

O cometa fica mais brilhante à medida que aumenta sua desgaseificação que empurra  cada vez mais o pó da superfície do cometa. Os cientistas estão utilizando o brilho do cometa, juntamente com a informação sobre o tamanho do núcleo e as medições da produção de gás e pó, para compreender a composição dos gelos que controlam a atividade. A maioria dos cometas se iluminam de forma significativa e desenvolvem uma cauda visível numa distância próxima à distância do cinturão de asteróides (cerca de três vezes a distância Terra-Sol – entre as órbitas de Marte e Júpiter), porque é quando os raios quentes do sol podem converter a água de gelo no interior do cometa em gás. Meech conclui que Comet ISON “… pode ainda tornar-se espetacularmente brilhante, quando chegar muito perto do Sol”, mas ela adverte: “Eu seria negligente se eu não acrescentasse que ainda é muito cedo para prever o que vai acontecer com ISON já que os cometas são notoriamente imprevisíveis “.

O cometa e o Sol

Em 28 de novembro de 2013, O Cometa ISON poderá tornar-se um dos cometas de passagem mais próxima já registrados em relação ao Sol, penetrando milhões de graus na atmosfera exterior da nossa estrela, chamada de corona, e movendo-se 1,3 milhões km para dentro da superfície do sol. Pouco antes da passagem crítica, o cometa pode aparecer brilhante o suficiente para os observadores especializados, utilizando os devidos cuidados para vê-lo perto do Sol durante o dia.

O que acontece depois que ninguém sabe ao certo. Mas se o Cometa ISON sobreviver que encontro próximo, o cometa pode aparecer em nosso céu da manhã antes do amanhecer no início de dezembro e se tornar um dos maiores cometas nos últimos 50 anos ou mais. Mesmo que o cometa se desintegre totalmente, os observadores não devem perder a esperança. Quando o cometa C/2011 W3 (Lovejoy) mergulhou na corona do Sol, em dezembro de 2011, seu núcleo desintegrou-se totalmente em pequenos pedaços de gelo e poeira, mas ainda assim proporcionou um show glorioso após esse evento.

A questão permanece, teremos um show? Fique atento …

Comet ISON: Visualização do Norte e do Sul

Independentemente de Comet ISON tornar-se o “Cometa do século”, como alguns especulam, ele provavelmente vai será bem visível a olho nu pu por binóculos de ambos os hemisférios norte e sul nas semanas que antecederem a sua aproximação do sol.

No final de outubro, o cometa deve ser visível através de binóculos como um brilho difuso no céu oriental antes do amanhecer, no extremo sudeste da constelação de Leo. No início de novembro, o cometa deve ser um objeto binocular melhor. Ele vai brilhar constantemente, uma vez que se move cada vez mais rápido, noite após noite, pelo sul da Virgem, passando perto da brilhante estrela Spica. É durante a última metade do mês que as observações serão mais importantes, quando as bordas do cometa estarão em Libra de madrugada, onde brilhará o suficiente para a visibilidade a olho nu e, talvez, mostre uma cauda óbvia.

O cometa atinge o periélio (o ponto mais próximo da sua órbita ao Sol) em 28 de novembro, quando também vai atingir seu brilho máximo e, talvez, seja visível durante o dia. Se o Cometa ISON sobreviver o periélio, ele vai oscilar em torno do Sol e aparecerá tanto como um objeto de manhã cedo e no início da noite no Hemisfério Norte. A situação é menos favorável do Hemisfério Sul, já que o cometa irá se pôr antes do Sol à noite e levantar-se com o Sol da manhã.

Até 10 de dezembro, e tendo em conta que tudo vá bem, o Cometa ISON pode ser um bom espetáculo no céu do amanhecer visto a partir do Hemisfério Norte. Sob um céu escuro, pode ostentar uma longa cauda que se estende para cima a partir do horizonte leste, a partir das constelações de Ophiuchus a Ursa Major. O cometa também será visível no céu noturno durante este tempo, mas com a cauda aparecendo angular e mais perto do horizonte.

Anúncios

3 Responses to “Cometa ISON: Novas imagens e prognósticos”


  1. 1 Saulo
    maio 30, 2013 às 9:12 pm

    Denise, parabéns pelo blog. Acho muito bom!!! Inteligente e interessante. Acompanhar suas publicações tornou-se muito instrutivo para mim.

    • 2 deniseselmo
      maio 30, 2013 às 9:18 pm

      Muito Obrigada pelas palavras de incentivo, Saulo. Nada pode me deixar mais feliz do que saber que meu blog ajuda a difundir o conhecimento astronômico.
      Um abraço.
      Denise

  2. 3 Helder Geraldes
    maio 31, 2013 às 8:53 am

    Parabéns Denise e um muito obrigado pela tradução.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: