02
mar
14

Nebulosa da Serpente: de sementes cósmicas a estrelas massivas

Este estudo divulgado pela Royal Astronomic Society e publicado pelo site Daily Galaxy dá indícios de como as estrelas muito massivas são formadas. O texto foi traduzido e adaptado e o original está aqui

Snake nebula

Novas imagens do telescópio SMA (Smithsonian’s Submillimeter Array) fornecem a visão mais detalhada já obtida de berçários estelares dentro da nebulosa da Serpente (Snake Nebula). Estas imagens propiciam novos insights sobre como sementes cósmicas podem se transformar em estrelas massivas .

Estendendo-se por quase 100 anos-luz de espaço , a nebulosa da Serpente está localizada a cerca de 11.700 anos-luz da Terra na direção da constelação Ophiuchus.

Em imagens do telescópio espacial Spitzer , da NASA , que observa a luz infravermelha , ela aparece como um cacho escuro sinuoso contra o fundo estrelado. Ela foi escolhida como alvo, porque mostra potencial para formar muitas estrelas massivas (estrelas com mais de 8 vezes a massa do nosso Sol ). 

Snake Nebula seeds

 

Os dois painéis acima mostram a nebulosa da Serpente como fotografada pelos telescópios espaciais Spitzer e Herschel . Em comprimentos de onda do infravermelho médio ( o painel superior feito pelo Spitzer ) , o material espesso da nebulosa bloqueia a luz  das estrelas mais distantes. Em comprimentos de onda do infravermelho distante, no entanto (o painel inferior feito pelo Herschel), a nebulosa brilha devido à emissão de poeira fria . As duas regiões destacadas, P1 e P6, foram examinadas mais detalhadamente pelo Submillimeter Array .

” Para saber como as estrelas se formam , temos que pegá-las em suas primeiras fases , enquanto elas ainda estão profundamente enraizadas em nuvens de gás e poeira , e o SMA é um excelente telescópio para fazer isso”, explicou o autor do Wang Ke Observatório Europeu do Sul (ESO) , que começou a pesquisa como um companheiro predoctoral do Centro Harvard -Smithsonian de Astrofísica ( CfA ) .

A equipe estudou dois pontos específicos dentro da nebulosa Serpente , designados P1 e P6 . Dentro dessas duas regiões eles detectaram um total de 23  “sementes” cósmicas – manchas levemente brilhantes que acabarão por gerar entre uma e algumas estrelas . As sementes geralmente pesam entre 5 e 25 vezes a massa do Sol , e cada uma se estende por algumas centenas de bilhões de quilómetros ( para comparação , a distância média Terra-Sol é de 150 milhões de km) . As imagens de alta resolução do SMA  não só revelam as pequenas sementes , mas também conseguem diferenciá-las na idade.

Teorias anteriores propõe que as estrelas de alta massa se formam dentro de “núcleos” isolados muito maciços, pesando pelo menos 100 vezes a massa do sol. Estes novos resultados mostram que esse não é o caso. Os dados também demonstram que estrelas massivas não nascem sozinhos, mas em grupos.

” Estrelas de alta massa se formam em aldeias “, disse o co- autor Qizhou Zhang do CFA. “É um assunto de família. ” A equipe ficou surpresa ao descobrir que essas duas manchas nebulares tinham se fragmentado em sementes individuais de estrela tão cedo no processo de formação estelar. Eles também detectaram saídas bipolares e outros sinais de uma ativa formação de estrelas em curso. Finalmente, no futuro, a nebulosa da Serpente vai dissolver-se e brilhar como uma cadeia de vários aglomerados de estrelas .

 

 

Anúncios

0 Responses to “Nebulosa da Serpente: de sementes cósmicas a estrelas massivas”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: