Posts Tagged ‘Notícias e eventos astronômicos

24
jun
16

Encontrada evidencia de formação de cometas em TW Hydrae

O estudo de discos protoplanetários tem sido uma importante arma para o entendimento da formação de sistemas extra-solares e consequentemente para melhor entendimento da formação de nosso próprio sistema. Assim, é fácil perceber a relevância da constatação de formação cometária no disco protoplanetário de TW Hydrae. Esse é o tema do artigo da Astronomy now que adaptei e traduzi para o português brasileiro. O link para o texto original pode ser acessado aqui e o paper científico aqui

A ilustração artística mostra o disco protoplanetário  em torno da estrela TW Hydrae na enorme constelação de Hydra . Crédito da ilustração: ESO / M. Kornmesser.

A ilustração artística mostra o disco protoplanetário em torno da estrela TW Hydrae na enorme constelação de Hydra . Crédito da ilustração: ESO / M. Kornmesser.

Astrônomos acabam de anunciar que encontraram  a molécula orgânica metanol, no disco protoplanetário de TW Hydrae. Este é o primeiro tipo de detecção deste composto químico em um disco de formação planetária jovem. Como o metanol se forma sobre os revestimentos gelados de pequenos grãos de poeira, esta descoberta fornece uma pista para a região onde os cometas são provavelmente formados.

 

“Quando olhamos para vapor de metanol no disco de TW Hydrae, estamos sondando os precursores dos exo-cometas”, diz o co-autor do estudo Karin Oberg do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica (CfA).

 

O disco protoplanetário em torno da jovem estrela TW Hydrae é o exemplo mais próximo da Terra, a uma distância de apenas cerca de 175 anos-luz. Como tal, é um alvo ideal para os astrônomos estudarem discos em detalhe. Este sistema tem cerca de 10 milhões de anos, e assemelha-se ao nosso sistema solar há mais de quatro bilhões de anos atrás.

 

A equipe fez a detecção usando o Large Array Atacama milímetro / submilimétricos (ALMA) – o mais poderoso observatório para mapear a composição química e a distribuição de gás frio em discos próximos.

 

As observações ALMA revelaram a impressão digital de álcool metílico gasoso, ou metanol (CH3OH), em um disco protoplanetária pela primeira vez. Metanol, um derivado de metano, é uma dos maiores complexos orgânicos moleculares detectados em discos, até à data. Identificar a sua presença representa um marco para a compreensão de como as moléculas orgânicas são incorporados em planetas nascentes.

 

Além disso, o metanol é em si um bloco de construção para produtos químicos mais complexos, como aminoácidos e açúcares. Como resultado, o metanol desempenha um papel vital na criação da rica química orgânica tão necessária para a vida.

 

Catherine Walsh (Observatório de Leiden, Países Baixos), principal autora do estudo que aparece no Astronomical Journal, explica: “Encontrar metanol em um disco protoplanetário mostra a capacidade única de ALMA para sondar o complexo reservatório de gelo orgânico em discos e assim,  pela primeira vez, permite-nos olhar para trás no tempo, para a origem da complexidade química em um berçário de planetas em torno de uma jovem estrela semelhante ao Sol “.

 

A observação de metanol na fase gasosa implica que o metanol se formou em grãos de gelo do disco e posteriormente foi vaporizado. Esta primeira observação ajuda a esclarecer o enigma da transição de gelo / gás metanol, e mais geralmente os processos químicos em ambientes astrofísicos.

 

O co-autor CfA Ryan A. Loomis acrescenta: “O metanol na forma gasosa do disco é um indicador inequívoco de ricos processos químicos orgânicos numa fase precoce da estrela e da formação planetária. Este resultado tem um impacto na nossa compreensão de como a matéria orgânica se acumula nos sistemas planetários muito jovens “.

24
jun
16

Hubble confirma tempestade em Netuno

Tempestades são comuns nos planetas gasosos do nosso Sistema Solar; são ventos em alta velocidade que formam lindas manchas na atmosfera desses planetas. Elas aparecem e desaparecem de tempos em tempos e intrigam astrônomos planetários. No dia 16 de maio de 2016, o  telescópio Hubble confirmou a existencia de uma mancha escura em Netuno. A confirmação propiciará muito estudo e novidades sobre o lindo planeta azulado.

Abaixo o texto do site do Hubble sobre o assunto, adaptado e traduzido para o português brasileiro. O texto original pode ser acessado aqui

Netuno dark spot 

 

Novas imagens obtidas em 16 de maio de 2016, pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA confirmam a presença de um vórtice escuro na atmosfera de Netuno. Apesar de características semelhantes terem sido vistas durante o sobrevoo por Netuno feito pela Voyager 2 em 1989 e pelo Telescópio Espacial Hubble em 1994, este vórtice é o primeiro observado em Netuno, no século 21.

 

A descoberta foi anunciada em 17 de maio, 2016 pelo astrônomo pesquisador Mike Wong, da Universidade da Califórnia em Berkeley, que liderou a equipe que analisou os dados do Hubble.

 

Os vórtices escuros de Netuno são sistemas de alta pressão que e são geralmente acompanhadas de “nuvens companheiras” brilhantes, que agora também são visíveis no planeta distante. As nuvens brilhantes formam-se quando o fluxo de ar ambiente é perturbado e desviado para cima sobre o vórtice escuro, fazendo com que os gases congelem em cristais de gelo de metano. ” Vórtices escuros costeiam a atmosfera como enormes, montanhas gasosas em forma de lente”, disse Wong. “E as nuvens companheiras são semelhantes as chamadas nuvens orográficas que aparecem em forma de panqueca se estendendo sobre montanhas na Terra.”

 

A partir de julho de 2015, nuvens brilhantes foram novamente vistas em Neptune por vários observadores, de amadores a astrônomos do Observatório W. M. Keck, no Havaí. Os astrônomos suspeitaram que estas nuvens poderiam ser nuvens companheiras brilhantes acompanhando um vortex escuro invisível.  Os vórtices escuros de Netuno são normalmente apenas vistos em comprimentos de onda azuis, e só Hubble tem a alta resolução necessária para vê-los em Netuno.

 

Em setembro de 2015, o programa Outer Planeta Atmospheres Legacy (OPAL), um projeto do Telescópio Espacial Hubble de longo prazo que capta anualmente mapas globais dos planetas exteriores, revelou uma mancha escura perto da localização das nuvens brilhantes, que havia sido monitorado a partir do chão. Ao ver o vórtice uma segunda vez, as novas imagens do Hubble confirmam que OPAL realmente detectara uma estrutura de longa duração. Os novos dados permitiram que a equipe criasse um mapa do vórtice e seus arredores de melhor qualidade.

 

Os vórtices escuros de Netuno têm demonstrado surpreendente diversidade ao longo dos anos, em termos de tamanho, forma e estabilidade (que serpenteiam em latitude, e às vezes aceleraram ou desaceleraram). Eles também vêm e vão  em escalas de tempo muito mais curtos em comparação com anticiclones similares vistos em Júpiter; grandes tempestades em Júpiter evoluem ao longo de décadas.

 

Astrônomos planetários esperam entender melhor como vórtices escuros se originam, o que controla seus desvios e oscilações, como interagem com o ambiente, e como eventualmente se dissipam, diz o doutorando Joshua Tollefson  da Universidade de Berkeleym . Medir a evolução do novo vórtice escuro vai ampliar o conhecimento dos vórtices escuras, bem como da estrutura e dinâmica da atmosfera circundante.

29
ago
14

Um novo modelo de SN tipo IA é proposto.

O site científico Scitechdaily publicou um artigo que fala de um novo modelo proposto para as Supernovas tipo IA . O tema é fascinante e se o modelo for confirmado esse tipo de Supenova pode não mais ser considerada uma vela padrão. O artigo original que traduzi e adaptei está aqui. http://scitechdaily.com/new-supernova-model-challenges-predominant-one/ O paper do estudo pode ser acessado aqui

New-Observations-of-the-Type-Ia-SN-2014J-in-Galaxy-M82

Um estudo recém-publicado pelo Instituto de Astrofísica da Andaluzia descarta a possibilidade de que supernovas do tipo Ia possam ser resultado de explosões de anãs brancas alimentadas por estrelas normais. Se estas conclusões se generalizarem, supernovas do Tipo Ia poderão não servir mais como “velas padrão”  (standard candles) para medir distâncias astronômicas.

 

Supernovas do Tipo Ia acontecem quando uma anã branca, o “cadáver” de uma estrela parecida com o Sol, absorve material de uma estrela gêmea até que atinja uma massa crítica de 1,4 vezes a massa do Sol e exploda. Por causa de sua origem, todas estas explosões compartilham de uma luminosidade muito semelhante. Esta uniformidade fez das supernovas do Tipo Ia objetos ideais para medir distâncias no universo, mas o estudo da supernova 2014J sugere um cenário que as invalidaria como “velas padrão”.

 

“Supernovas Tipo Ia são consideradas velas padrão, pois sua constituição é muito homogênea e praticamente todas elas atingem a mesma luminosidade máxima. Elas ainda nos permitiram descobrir que o universo estava se expandindo a um ritmo acelerado. No entanto, nós ainda não sabemos que  sistemas estelares dão origem a este tipo de supernovas “, diz Miguel Ángel Pérez Torres, pesquisador do Instituto de Astrofísica da Andaluzia (IAA-CSIC) encarregado do estudo.

Um novo modelo que postula a fusão de duas anãs brancas está agora desafiando o modelo predominante, composto por uma anã branca e uma estrela normal. O novo cenário não implica a existência de um limite máximo de massa e, portanto, não necessariamente produz explosões de luminosidade semelhante.

Type-Ia-Supernovae-Stem-from-the-Explosion-of-White-Dwarfs-Coupled-with-Twin-Stars

Os resultados mencionados acima foram obtidos a partir do estudo da supernova 2014J, situada a 11,4 milhões de anos-luz de distância do nosso planeta, usando as redes EVN e e MERLIN de radiotelescópios. “É um fenômeno que muito raramente ocorre em nosso universo imediato. 2014J é a supernova tipo IA  mais próxima de nós desde 1986, quando os telescópios eram muito menos sensíveis, e pode muito bem ser a única que vai ser capaz de ser  observada em tais vizinhanças nos próximos 150 anos “, diz Pérez Torres (IAA-CSIC).

 

A observação por Radio torna possível revelar que  sistemas estelares estão por trás de supernovas tipo Ia. Se a explosão procede de uma anã branca que está sendo alimentada por uma estrela dupla, por exemplo, uma grande quantidade de gás deve estar presente no ambiente; Após a explosão, o material ejetado pela supernova irá colidir com este gás e produzir uma intensa emissão de raios X e ondas de rádio. Por outro lado, um par de anãs brancas não irá gerar este envelope gasoso e, por conseguinte, não haverá emissão de raios X, quer ou ondas de rádio.

 

“Nós não detectamos emissões de rádio em SN 2014J, o que favorece o segundo cenário”, diz Pérez Torres. “Se esses resultados ganharem aceitação geral, as consequências cosmológicas seriam de peso, porque o uso de supernovas do tipo Ia para medir distâncias seria questionada”, conclui o pesquisador.

 

Publicação:. MA Pérez-Torres, et al, “restrições no sistema progenitor e os arredores de SN 2014J a partir de observações de rádio profundas”, APJ, 2014, 792, 38; doi: 10.1088 / 0004-637X / 792/1/38

 

12
jun
14

Explosões gigantescas enterradas em poeira | ESO Brasil

Explosões gigantescas enterradas em poeira | ESO Brasil.

12
jun
14

NGC7793: Buraco Negro alimenta grandes bolhas de gás

 

O Chandra anunciou a descoberta de um microquasar em NGC 7793, uma galáxia na direção da galaxia do Escultor. Nesse sistema um buraco negro é alimentado por uma estrela companheira. O buraco negro no microquasar está gerando dois jatos poderosos que estão criando gigantescas bolhas de gás quente.

O texto original está em http://chandra.si.edu/photo/2010/ngc7793/. O texto foi traduzido e adaptado para o português brasileiro.

A galaxy about 12.7 million light years away containing a so-called microquasar.

Esta imagem composta mostra um poderoso  microquasar  que contém um buraco negro na periferia da galáxia NGC 7793 (12,7 milhões de anos-luz) . A grande imagem contém dados do Observatório de Raios-X Chandra em dados vermelhos, verdes e azuis, ópticas da Very Large Telescope em azul claro, e de emissão óptica por hidrogênio (“H-alfa”)  do telescópio  CTIO 1,5 m em dourado.

A inserção superior mostra um close-up da imagem de raios-X do microquasar, que é um sistema que contém um buraco negro de massa estelar sendo alimentado por uma estrela companheira. Um turbilhão de gás que vai em direção ao buraco negro forma um disco ao redor dele. Campos magnéticos retorcidos no disco geram fortes forças eletromagnéticas que impulsionam parte do gás para longe do disco em alta velocidade em dois jatos, criando uma enorme bolha de gás quente de cerca de 1.000 anos-luz de diâmetro. A fonte de verde / azul fraco perto do meio da imagem ampliada superior corresponde à posição do buraco negro, enquanto as fontes em vermelho/ amarelo (canto superior direito) e amarelo (inferior esquerdo) correspondem aos pontos onde os jatos estão imersos no gás circundante  aquecendo-o. A nebulosa produzida pela energia dos jatos é claramente vistana imagem H-alfa mostrado na inserção inferior.

n7793_xray_labeled_525

Os jatos no microquasar de NGC 7793 são os mais poderosos já vistos de um buraco negro de massa estelar e os dados mostram que uma quantidade surpreendente de energia do buraco negro está sendo levada pelos jatos, mais do que pela radiação a partir do material que está sendo injetado. O poder dos jatos é estimado em ser cerca de dez vezes maior do que o dos mais poderosos vistos a partir do famoso microquasar em nossa própria galáxia, SS433. Este sistema em NGC 7793 é uma versão em miniatura de quasares poderosos e de rádio galáxias, que contêm buracos negros que variam de milhões a bilhões de vezes a massa do sol.

Um artigo descrevendo este trabalho foi publicado em 8 de julho de 2010, da revista Nature. Os autores são Manfred Pakull da Universidade de Strasbourg, na França, Roberto Soria, do University College London, e Christian Motch, também da Universidade de Estrasburgo.

Crédito de imagens: X-ray (NASA/CXC/Univ of Strasbourg/M. Pakull et al); Optical (ESO/VLT/Univ of Strasbourg/M. Pakull et al); H-alpha (NOAO/AURA/NSF/CTIO 1.5m)

05
maio
14

Galáxia fóssil do início da formação do Universo

Um artigo publicado na Universe Today e escrito por Shannon Hall fala de uma galáxia onde encontram-se estrelas com baixíssimos níveis de metalicidade, quase completamente compostas de Hidrogênio e Hélio e portanto consideradas “puras”, indicando que foram geradas no início da formação de nosso Universo.  O tema é fascinante e intrigante e a descoberta pode abrir portas para grandes descobertas no estudo da origem do Universo. O texto foi traduzido e adaptado e o original pode ser acessado aqui, O paper original do estudo pode ser baixado aqui

A galáxia Segue 1, satélite da Via Láctea, Crédito: Sloan Digital Sky Survey)

A galáxia Segue 1, satélite da Via Láctea, Crédito: Sloan Digital Sky Survey

Uma pequena galáxia circulando a Via Láctea pode ser um fóssil remanescente do início do Universo.

As estrelas na galáxia conhecida como Segue 1, são praticamente puras, com menos elementos pesados ​​do que os de qualquer outra galáxia conhecida. Essas poucas estrelas (cerca de 1.000 em comparação com os 100 bilhões da Via Láctea) com essas pequenas quantidades de elementos pesados ​ sugerem que a galáxia anã pode ter parado de evoluir há quase 13 bilhões de anos atrás.

Se for verdade, Segue 1 poderia oferecer uma janela para o universo primordial, revelando novos caminhos evolutivos das galáxias no Universo primitivo.

Só hidrogênio, hélio, e um pequeno traço de lítio emergiram do Big Bang há cerca de 13.800 milhões anos atrás, deixando um universo jovem que era praticamente puro. Ao longo do tempo do seu ciclo de nascimento e morte estrelas produziram e dispersaram elementos mais pesados ​​(muitas vezes referidos como “metais” em círculos astronômicos), plantando as sementes necessárias para planetas rochosos e vida inteligente.

Quanto mais velha a estrela, menos foi contaminada  no momento do nascimento, e menos metais existem na superfície da estrela hoje. Assim, os elementos detectáveis ​​no espectro de uma estrela fornecem uma chave para entender as gerações de estrelas que precederam o nascimento da estrela.

O Sol, por exemplo, é rico em metal, com cerca de 1,4% de sua massa composta de elementos mais pesados ​​que o hidrogênio e o hélio, foi formado há 6 bilhões de anos – dois terços do caminho do Big Bang até agora – e surgiu a partir de múltiplas gerações de estrelas anteriores.

Mas três estrelas visíveis no Segue 1 tem uma abundância de ferro, que é cerca de 3.000 vezes menor do que o ferro do sol.

Pesquisadores liderados por Anna Frebel, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts relatam que Segue 1 “pode ​​ser uma primeira galáxia sobrevivente que experimentou apenas uma explosão de formação de estrelas” no Astrophysical Journal.

Não só as abundâncias químicas baixas sugerem que esta galáxia é composta de estrelas extremamente velhas ,como também fornecem dicas tentadoras sobre os tipos de explosões de supernovas que ajudaram a criar essas estrelas . Quando estrelas de grande massa explodem eles dispersam uma mistura de elementos; Mas quando estrelas de baixa massa explodem elas quase exclusivamente dispersam ferro.

A falta de ferro sugere as estrelas Segue 1 são produtos de estrelas de alta massa , que explodem muito mais rapidamente do que estrelas de baixa massa . Parece que Segue 1 passou por uma rápida explosão de formação de estrelas logo após a formação da galáxia no início do universo .

Além disso, seis estrelas observadas mostram alguns dos níveis mais baixos de elementos de captura de nêutrons já encontrados , com cerca de 16.000 menos elementos do que os observados no sol. Estes elementos são criados dentro das estrelas quando um núcleo atômico agarra um nêutron extra. Assim, um nível baixo indica uma falta de formação repetida de estrelas .

Segue 1 uma queimou sua primeira geração de estrelas rapidamente. Mas depois que a jovem galáxia produziu uma segunda geração de estrelas ela cessou completamente a formação de estrelas , mantendo-se uma relíquia do início do universo.

Os resultados aqui sugerem que pode haver uma maior diversidade de caminhos evolutivos entre galáxias no início do universo do que se pensava anteriormente.

Mas antes de podermos fazer qualquer declaração arrebatadora “Nós realmente precisamos encontrar mais desses sistemas”, disse Frebel em um comunicado de imprensa. Alternativamente, “se nunca encontrarmos um outro, esse nos diria como é raro encontrar galáxias que falham em sua evolução. Nós simplesmente não sabemos nesta fase do estudo, porque este é o primeiro de seu tipo. ”

O VLT foi o telescópio uti.izado nessa pesquisa

O VLT foi o telescópio utilizado nessa pesquisa. Na imagem, as Nuvens de Magalhães, galáxias satélites da Via Láctea como Segue 1. Crédito ESO

22
fev
14

Telescópio Subaru detecta tipo raro de nitrogênio no cometa Ison

Os cometas trazem informações preciosas sobre a origem do Sistema Solar. O artigo abaixo é um release do telescópio Subaru e embora seja mais técnico do que normalmente publico, achei pertinente traduzí-lo e adaptá-lo pelo tópico em si e por se relacionar à espectroscopia, ramo ao qual me dedico. O texto original pode ser acessado aqui

Cometa Ison pelas lentes do incrível Damian Peach em Nov_13
Cometa Ison pelas lentes do incrível Damian Peach em Nov_13

Uma equipe de astrônomos, liderada por Yoshiharu Shinnaka e Hideyo Kawakita, ambos da Kyoto Sangyo University, observou com sucesso a Comet ISON durante sua explosão brilhante no meio de novembro de 2013. O espetrógrafo de alta dispersão do Telescópio Subaru (HDS) detectou duas formas de nitrogênio – 14NH2 e 15NH2 – no cometa. Esta é a primeira vez que astrônomos relataram uma clara detecção do isótopo 15NH2 relativamente raro num único cometa e também mediram a abundância relativa de duas formas diferentes de isótopos (“razão isotópica de nitrogênio”) de amoníaco cometário (NH3) (Figura 1 ). Os resultados apoiam a hipótese de que havia dois reservatórios distintos de nitrogênio, na nuvem densa (“nebulosa solar”) a partir do qual o nosso Sistema Solar podem ter se formado e evoluído.

Figura 1: Close-up de espectros de linhas de emissão NH2 (das mesmas transições tanto para 14NH2 e 15NH2) no Cometa ISON, mostrando a diferença de comprimentos de onda e intensidade relativa entre os isótopos. As linhas vermelhas e verdes-tracejadas indicam o espectro observado. A linha azul indica o 15NH2, claramente detectado pela primeira vez. (Crédito: NAOJ)
Figura 1: Close-up de espectros de linhas de emissão NH2 (das mesmas transições tanto para 14NH2 e 15NH2) no Cometa ISON, mostrando a diferença de comprimentos de onda e intensidade relativa entre os isótopos. As linhas vermelhas e verdes-tracejadas indicam o espectro observado. A linha azul indica o 15NH2, claramente detectado pela primeira vez. (Crédito: NAOJ)

Por que a equipe se concentrou em estudar estas diferentes formas de nitrogênio no cometa?

Os cometas são objetos relativamente pequenos  do Sistema Solar , compostos de gelo e poeira , que se formaram há 4,6 bilhões de anos na nebulosa solar , quando o nosso sistema solar estava em sua infância . Como eles geralmente residem em regiões frias longe do Sol, o cinturão de Kuiper e a Nuvem de Oort , eles provavelmente preservam informações sobre as condições físicas e químicas no início do Sistema Solar . Diferentes formas e abundâncias da mesma molécula fornecem informações sobre sua origem e evolução.  Os cometas pertenciam a um berçário estelar (a nuvem interestelar primordial) ou surgiram a partir de uma nuvem distinta , a nebulosa solar, que pode ter formado a estrela do nosso sistema solar , o Sol ? Os cientistas ainda não entendem muito bem como as moléculas cometárias se separam em isótopos com diferentes abundâncias . Isótopos de nitrogênio de amônia (NH3) podem ser a chave para essa questão .

O amoníaco ( NH3 ) é uma molécula particularmente importante , uma vez que é o mais volátil de nitrogênio mais abundadnte  em gelo cometário e uma das moléculas mais simples de um grupo amino ( – NH2 ) intimamente relacionado com a vida . Isso significa que essas diferentes formas de nitrogênio poderiam ligar os componentes do espaço interestelar com a vida na Terra como a conhecemos.
Como a amônia é o principal transportador de nitrogênio em um cometa, é necessário limpá-la a partir da abundância relativa de seus isótopos para entender como 15NH2  se separa em moléculas cometárias. No entanto, a detecção direta de amônia cometária é difícil, e existem apenas alguns relatos de sua detecção. Portanto, a equipe se concentrou em estudar a forma de NH2 desenvolvido após a amônia ter sido discriminada pela luz (“fotodissociação”) no coma de cometas. A equipe teve a sorte de observar o cometa ao se aproximar do Sol, quando a sua composição gelada foi evaporando. Eles também tiveram a sorte porque NH2, um derivado de amônia (NH3), é fácil de observar no comprimento de onda óptico, e a abundância relativa de isótopos de nitrogênio de amônia cometária é provavelmente próximo ao de NH2.

A equipe usou HDS Telescópio Subaru para observar com sucesso o Cometa ISON em 15 de novembro e 16 (UT) , quando o cometa teve sua explosão brilhante que começou no dia 14 de novembro. A observação detectou claramente 15NH2 no Cometa ISON , e a equipe inferiu que a proporção de amônia cometária de 14N/15N é consistente com a média  dos espectros de outros 12 cometas . Em outras palavras , O Cometa ISON é típico na sua abundância relativa de 14N/15N em amoníaco cometário.

Estes resultados suportam a hipótese de que havia dois reservatórios distintos de nitrogênio na nebulosa solar :

1) de gás N2 primordial com um valor protosolar de 14N/15N ,

2) de  moléculas menos voláteis e, provavelmente, sólidas com uma proporção de cerca de 14N/15N  na nebulosa solar.

Figura 2: Comparação de proporções de isótopos obtidas a partir de cometas (esquerda) e núcleo da nuvem molecular (direita). A linha azul indica a proporção de isótopos de nitrogênio na atmosfera da Terra, enquanto a linha amarela mais larga indica a da nebulosa proto-solar. A figura mostra que os isótopos obtidos a partir de moléculas cometárias são semelhantes uns aos outros, enquanto aqueles enquanto aqueles de HCN (cianeto de hidrogénio) e HN3 (amoníaco) no núcleo da nuvem molecular são diferentes. (Crédito: NAOJ)de HCN (cianeto de hidrogénio) e HN3 (amoníaco) no núcleo da nuvem molecular são diferentes.
Figura 2: Comparação de proporções de isótopos obtidas a partir de cometas (esquerda) e núcleo da nuvem molecular (direita). A linha azul indica a proporção de isótopos de nitrogênio na atmosfera da Terra, enquanto a linha amarela mais larga indica a da nebulosa proto-solar. A figura mostra que os isótopos obtidos a partir de moléculas cometárias são semelhantes uns aos outros, enquanto aqueles enquanto aqueles de HCN (cianeto de hidrogénio) e HN3 (amoníaco) no núcleo da nuvem molecular são diferentes. (Crédito: NAOJ)de HCN (cianeto de hidrogénio) e HN3 (amoníaco) no núcleo da nuvem molecular são diferentes.

Isso pode significar que o amoníaco se formou em um ambiente de uma superfície de poeira de baixa temperatura , não no gás da nuvem molecular. As experiências de laboratório mostram que várias moléculas complexas podem se formar sobre a superfície de poeira de baixa temperatura. Se a molécula de amoníaco se formou sobre a superfície de poeira de baixa temperatura, o núcleo de cometa pode conter uma molécula complexa que se relaciona com a origem da vida, em adição ao amoníaco. Se for assim, aumentam as possibilidades de que cometas tenham trazido esses materiais para a Terra.

No futuro a equipe espera  investigar a origem do Cometa ISON e os mecanismos que provocaram sua explosão para que possamos entender melhor a evolução do Sistema Solar.

Referências:

Resultados publicados em Fevereiro 20, 2014 como:

Shinnaka, Y., Kawakita, H., Kobayashi, H., Nagashima, M., & Boice, D.C. 2014 “14NH2/15NH2 ratio in Comet C/2010 S1 (ISON) observed during its Outburst in November 2013)” Astrophysical Journal Letters, V 782, L106

“Spectrum of Outburst from Comet ISON Obtained by Subaru Telescope’s High-Dispersion Spectrograph”, December 2, 2013 Subaru Telescope press release.]

O telescópio Subaru.

Telescópio Subaru, no Havaí.
Telescópio Subaru, no Havaí.